top of page
Buscar
  • Foto do escritorMiguel Fernández

No casco velho de Coimbra

Atualizado: 6 de abr. de 2023

Em um Siulbesa (Simpósio Luso-Brasileiro de Engenharia Sanitária), por volta de 2010, aluguei um carro e fui passear em Coimbra com uma amiga. Procurávamos um local adequado para estacionar próximo à reitoria da Universidade, no Casco Velho, quando em um a curva vimos uma série de carros estacionados perpendicularmente ao meio-fio e duas vagas. Estacionamos.

Não havia placa de sinalização nem permitindo nem proibindo. Mas "pobre quando vê muita esmola desconfia", resolvemos perguntar ao jornaleiro de um quiosque no jardim em frente ao local, que conversava com um amigo-cliente:


- Posso estacionar ali?


-"Pode", respondeu o amigo do jornaleiro...


Felizes com a informação já íamos nos afastando em direção à universidade quando ouvimos uma voz vinda do quiosque: "mas não deve".


- Como assim?


-"Vai ser multado"


E lá fomos procurar um "parking" (assim mesmo, em inglês) a um quilômetro dali, para não nos aborrecemos nem sermos multados.


E ficamos sabendo que, podemos fazer o que quisermos e quando quisermos, inclusive matar alguém, "mas não deve". Pode haver consequências. Certíssimo.



Miguel Fernández, engenheiro consultor, cronista e articulista

Rio de Janeiro, publicado na Revista ABES Bio n°84 Jul/Set 2017, pág.25.








16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Unhas

Era 1988. Os voos do Ecuador para o Brasil (e vice-versa) eram pela VARIG, que pousava em Guayaquil, porto-cidade litorânea (ao nível do mar), em dias alternados, ou seja, dia-sim-dia-não.  Acho que o

Marraio

A última mulher? Nos jogos de bolinha de gude de sua infância de carioca nos idos 1955-61, dos 9 aos 14 anos, aprendeu que o último a lançar a bolinha na direção da búlica mais afastada (eram três bur

Comentarios


bottom of page