top of page
Buscar
  • Foto do escritorMiguel Fernández

Peloponeso Brasiliense

Atualizado: 6 de abr. de 2023

O engenheiro Hipérides Macedo, cearense, eminente profissional, autor de um interessante livro em prosa sobre hidrologia, secretário estadual de Recursos Hídricos no Ceará por mais de uma vez, estava secretário nacional de Recursos Hídricos em Brasília por volta de 2004. Lá também havia um engenheiro chamado Arquimedes.


Eu estava por lá de passagem em visita de cortesia e intercâmbio de assuntos, e também porque o Hipérides é ótimo para conversar e sempre se aprende com ele. Iríamos jantar.


Após o fim do expediente, enquanto o Hipérides foi trocar de roupa no hotel. fiquei ajudando o Arquimedes a terminar de redigir um texto. Enquanto isso, o telefone da sala do Hipérides tocava sem parar. Finalmente o Arquimedes resolveu ir atender porque o outro lado era insistente, a campainha do telefone do Hipérides estava regulada no tom mais alto possível e não havia mais ninguém no andar...


- Alô?


- Eu queria falar com o Hipérides.


- Ele não está, pô, já foi.


- Quem está falando?


- É o Arquimedes.


- Engreçadinho.


- Quem tá falando?


- Aqui é o Pitágoras, seu viado.


E bateu o telefone.


Miguel Fernández, engenheiro consultor, cronista e articulista

Rio de Janeiro, publicado na Revista ABES Bio n°84 Jul/Set 2017, pág.25.










28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Unhas

Era 1988. Os voos do Ecuador para o Brasil (e vice-versa) eram pela VARIG, que pousava em Guayaquil, porto-cidade litorânea (ao nível do mar), em dias alternados, ou seja, dia-sim-dia-não.  Acho que o

Marraio

A última mulher? Nos jogos de bolinha de gude de sua infância de carioca nos idos 1955-61, dos 9 aos 14 anos, aprendeu que o último a lançar a bolinha na direção da búlica mais afastada (eram três bur

Comments


bottom of page